não acredito em coincidências…

«Não deixa de ser uma ironia do destino que o homem que nunca ligou à supervisão e que encarava o regulador do sector bancário como uma espécie de gabinete de estudos e projecções macroeconómicas tenha regressado momentaneamente de Frankfurt no mesmo dia em que Carlos Costa tinha uma audição muito difícil no parlamento. Isto porque … Continuar a ler não acredito em coincidências…

Anúncios