calculismo

Marcelo-Rebelo-Sousa«Recentemente, vimo-lo a solidarizar-se com os gregos durante as negociações com os credores, parecendo mais próximo da linha do Syriza do que dos parceiros europeus, e a criticar duramente o governo de Passos. O que terá levado o professor a assumir estas posições aparentemente contraditórias com as convicções da sua família política?
Penso que há uma explicação simples para isso. Como ilustre figura do PSD, Marcelo acredita ter garantidos os votos do eleitorado de direita. Ao criticar o governo, agrada aos insatisfeitos (que são muitos) e espera porventura conseguir conquistar eleitores à esquerda, o que lhe permitiria fazer o pleno e obter uma vitória confortável nas presidenciais.

Mas há um perigo que Marcelo talvez não esteja a acautelar. Se, por algum momento, o comentador não for fiel às suas convicções e os telespectadores se aperceberem disso, o calculismo poderá sair-lhe caro. É aquilo a que se chama, em bom português, virar-se o feitiço contra o feiticeiro.» (daqui)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.