good music never dies (1)

peter-gabriel-peter-gabriel-front1Fez no passado dia 25 de Fevereiro que, há 40 anos, Peter Gabriel editava o seu primeiro disco a solo, depois de ter abandonado os Genesis em 1975, e o seu próprio nome dava título ao álbum, como aliás aconteceria com os três discos seguintes. Este, o primeiro, é também conhecido por Car, uma vez que a capa retrata o músico dentro de um carro.

Das músicas que fazem parte do disco, Solsbury Hill é, sem dúvidas, a mais conhecida, não só deste trabalho mas, também, de toda a discografia de Peter Gabriel.

Para comemorar estes quarenta anos, o músico decidiu partilhar no seu canal do YouTube, um vídeo que é uma montagem das várias versões ao vivo deste seu sucesso.

 

Anúncios

dependentes do bce

bce«Sim, é verdade que há muitos livros, artigos e relatórios. Cada um de nós até pode pensar que sabe tudo, ou quase. Mas o regime, no seu conjunto, não sabe, porque ao mesmo tempo que o Estado faliu, faliram os consensos e os compromissos, e tudo se reduziu a tema de discórdia e de confronto, mesmo os factos a que, em tempos de optimismo, chamávamos “objectivos”. Num cenário destes, qualquer assunto, por mais grave, serve apenas de mote para intriga e especulação.

Nunca, nesse sentido, saberemos o que se passou. Mas sabemos o que se passa: é o BCE, com a sua política de juros baixos e compras de dívida pública, que vai permitindo esta feira de “erros de percepção”, lapsos informáticos, demagogias vaidosas e operações clientelares. Mas com a inflação na zona euro nos 2%, a pressão sobre as “políticas de estímulo” tenderá a agravar-se. O que quer dizer que um dia, quando o véu de fantasia monetária do BCE deixar de cobrir a nudez forte da verdade portuguesa, descobriremos talvez, não o que se passou com as transferências ou com a CGD, mas o que se vai passar com todos nós, para além de todas as mistificações facciosas. Tudo em Portugal depende do BCE, até a verdade.» (daqui)