não há cheiro de poder

joão pereira coutinho«A economia cresce. O PS pode chegar à maioria. Se não houver surpresas externas (BCE, Grécia, etc.) ou internas (vindas da esquerda ou de Belém), ser líder da oposição é cumprir o desterro do deserto sem perspectiva de um oásis. Quem se atreve ao martírio? No PSD, a tradição não engana: só há candidatos sérios quando há cheiro de poder.
O ‘crédito’ de Passos Coelho é ‘infindável’, nas palavras do imortal Marco António? Não duvido. Quando não existe melhor produto na praça, a velha Cleópatra sempre dá para os gastos.» (daqui)
Anúncios