a corrupção e a crise

armando vara«Sob a manta do banco do Estado, eram facilitados negócios ruinosos e montados esquemas que permitissem aos intervenientes receber o seu quinhão.

Extremamente relutante na concessão de crédito a tantos negócios de pequena e média dimensão, fundamentais para o crescimento do País, ou até para aposta na formação e na ciência, a Caixa não hesitou, no entanto, em envolver-se nestes ruinosos negócios. Já não bastava percebermos que a corrupção viciou, durante anos, a cultura política. Compreendemos agora que está na origem da grave crise cujos terríveis efeitos na qualidade de vida dos portugueses ainda se fazem sentir a todos os níveis. E isto é ainda a ponta de um gigantesco iceberg.» (daqui)
Anúncios

assunto de regime

assembleia_da_republica_61«A avaliação dos portugueses sobre o caso Sócrates não iliba o ex-governante, mas fundamenta a tese de que os políticos são todos iguais e uma corja que vive à grande, à conta dos pequeninos. Trata-se mais disto do que de focar culpas num único partido.

Aliás, ninguém ignora que em todos os partidos de poder houve casos escabrosos e escandalosos dos quais apenas uma ínfima parte levou a condenações judiciais. Só essa situação gerou uma percepção de que a corrupção é generalizada em Portugal e noutros países, como a Espanha aqui ao lado. E, apesar de tudo, não foi por isso que entre nós as eleições deixaram de ser ganhas em alternância pelos mesmos partidos.

O tema Sócrates não é um caso só do PS. É, na realidade, um assunto de regime que tem fatalmente de mexer com toda a classe política e com os interesses económicos com que esta promiscuamente convive.» (daqui)

15 anos depois, o que importa

corrupção11«Em 1999 e 2000, estávamos bem longe de imaginar que estaríamos, hoje, quinze anos depois, com muitos défices acumulados, uma dívida pesada, fruto também de muitos erros cometidos, muitas promessas por cumprir, no fim de um ciclo.

Podemos tentar ser indiferentes, podemos prometer pagar dívidas privadas, podemos aflorar os cofres cheios e os bolsos vazios, mas desenganem-se os que pensam que “É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma”. O debate político deste ano, com duas eleições no horizonte, legislativas e presidenciais, vai estar centrado na corrupção e na pobreza.

Não são temas com cara de século XXI? Pois não. Seriam temas que já deveriam estar resolvidos. No entanto, em Portugal, a degradação das instituições da República é por demais evidente.» (daqui)

corrupção no aparelho do estado

«A procuradora-geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, admitiu esta terça-feira em entrevista à Renascença e ao Público, que existe “uma rede que utiliza o aparelho do Estado e outro tipo de aparelhos da Administração Pública para realizar atos ilícitos”, muitos na área da “corrupção”.» (daqui).

PJ faz buscas em edifícios da segurança social por suspeitas de corrupção

a cleptocracia* grega

grecia-euro«“Se conseguisse fazer com que todos vocês pagassem os vossos impostos, eu não teria necessidade de estar aqui”»

Um excelente artigo publicado no “Observador” e que nos dá conta da dimensão da fraude e evasão fiscal e da corrupção na Grécia e de como estas contribuíram, em parte, para a actual situação.

* Sistema político que admite a corrupção. (daqui)