o que conta

mario-soares«Contudo, como português, como democrata, não tenho a menor hesitação em afirmar que desapareceu alguém a quem devo muito – a quem devo imenso. Tivesse ele perdido as batalhas em que se empenhou nos primeiros anos da nossa democracia, um tempo em que de alguma forma foi o rosto de um Portugal na vanguarda – na inauguração – daquilo a Samuel P. Huntington chamou a “terceira vaga democrática”, e eu não estaria a escrever este texto. Talvez nem estivesse vivo, ou livre, ou a viver em Portugal.

Por isso, porque prezo antes de tudo a liberdade, foi em liberdade que em 2004 participei no jantar dos seus 80 anos, porventura a maior e mais comovente homenagem que recebeu em toda a sua vida. E é em liberdade que quero continuar a recordá-lo pelos seus melhores anos. Os que marcarão para sempre o seu legado.

Não foi por acaso que, a abrir este texto, escolhi como referência o mais marcante estadista do século XX, Winston Churchill. Na nossa democracia Mário Soares ocupa um idêntico lugar cimeiro.» (daqui)

Anúncios

preso comum

Qual a semelhança entre José Sócrates e, por exemplo, os nomes que constam desta lista ou, até mesmo, Álvaro Cunhal?

Aparentemente, não existe qualquer semelhança. A não ser na cabeça de Mário Soares, que insiste em ver o “engenheiro” como um preso político.

Maria José Morgado escreveu, no Expresso Diário, que «pode haver processos com presos que exercem ou exerciam cargos políticos. Não são presos políticos, são presos comuns.»

José Sócrates é um preso comum!

calado eras um poeta

mario soares

«Mário Soares assumiu a defesa mais acérrima de José Sócrates até ao momento, depois de uma visita de mais de uma hora à prisão de Évora. “Todo o PS está contra esta bandalheira”, disse o fundador do PS, acrescentando que a operação Marquês “não é outra coisa que não seja um caso político” e que “todo a gente acredita na inocência do ex-primeiro-ministro” – “menos o senhor”, referência ao jornalista que lhe dirigia uma pergunta.

Isto é uma malandragem daqueles tipos que atuam mas que que não fizeram nada”, disse o ex-Presidente, referindo-se indiretamente à investigação. “Isto não tem nada a ver com os socialistas, tem a ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar”.» (daqui)